.comment-link {margin-left:.6em;}

The Sun Green Hills

Conversas de café e outros devaneios...

greendale

sexta-feira, junho 02, 2006

AS DOENÇAS DE CARÁCTER

Tenho andado constipado e sempre a dizer que estou a "choca-la". Isto já há umas semanas... No entanto, não sei porquê, a minha condição pré-enfermidade nunca se desenvolveu mais do que já está. Talvez eu seja rijo como os antigos.

No entanto, a respeito da necessidade de uma eventual ida ao Hospital - Centro Turístico este que orgulhosamente nunca frequento - dei por mim a pensar no que é isso de estar doente. E concluí que esta temática também está deficientemente construída, tal como tantas outras coisas que encontramos neste paradoxo mundo. E porquê? Porque tão somente as únicas situações que nos levam ao Hospital são aquelas que nos incidem sobre o CORPO (psique incluída). Não seria justo que um acesso de estupidez fosse galhardoado com uma brutal febre com direito a picadas em todo o corpo e no mínimo um internamento de uma semana, ou melhor, até a cura ser encontrada? Com certeza haveria muita gente cretina que deambula pelas ruas da nossa "polis" que teria "quarto reservado" num qualquer Hospital do Carácter perto de nós.

3 Comments:

Blogger Francisco said...

Esse hospital existe.
Se partirmos do princípio que a estupidez surge numa acção encenada por ti e em que outro é prejudicado então a cura existe assim como o médico e o hospital. Mas vamos por partes.
1. Uma cena, entre dois actores (um faz de estúpido, e o outro de vítima da estupidez do estúpido), sobe ao palco.
2. O médico, o Dr. Respeito, entra em cena a pedido de um dos personagens. Foi a vítima que o mandou chamar. O House lá do sítio, olhando os dois disse: Vou examinar os dois.
O estúpido deu umas gargalhadas e lembrou-o de que quem o tinha chamado havia sido a vítima. - Mas vá. Já que está aqui faça-me lá um check-up - e deu mais umas gargalhadas.
3. Examinados os pacientes, e feito o diagnóstico ditou-se a receita.
- Para si, cara vítima, já que não tem nenhum mal maior a cura é simples: Um chá de menta e a leitura de Um killer Sentimental. Vai ver que não tarda já está melhor.
Para si, caro estúpido, já que o seu problema é bastante grave, receito-lhe três colheres de sopa, cinco vezes ao dia o seguinte xarope: Não faças aos outros o que não gostas que te façam a ti.
O tratamento é longo e falível, mas mais vale arriscar ou corre o risco de morrer estúpido.

Fim.

11:07 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Ficaste bem na foto, hein? Abraço!

12:36 da tarde  
Blogger Beatriz said...

lol... cheira-me que estavas a pensar em alguem em particular... tou enganada?

beijinhos

3:42 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home