.comment-link {margin-left:.6em;}

The Sun Green Hills

Conversas de café e outros devaneios...

greendale

domingo, dezembro 09, 2007

Carta aos Anciãos (ll)


Se por algum acaso me tivessem dito hoje que as árvores são igualmente belas tanto de viçosa folhagem, como de tronto, ramos e galhos, e agora castanhas, eu comentaria em poucas palavras concordando. Diria apenas que elas não têm de ter um aspecto ou até um estado mais conveniente. As árvores serão sempre o resultado de todo o seu eu e das suas respectivas fases, ou das simbioses que as juntam para formar o que elas são, serão, e já foram. É que, faz-lhes bem que o vento as envolva e as liberte das folhas mortas. E assim, elas mudam com as estações, e nem as estações se faziam sem elas e as suas espantosas mudanças.

As árvores são sempre belas, mas sei que digo tudo isto apenas por gostar muito, mas mesmo muito, delas.

1 Comments:

Blogger Kata said...

As árvores mais resistentes não são as de troncos grossos e duros. São as de ramos finos e flexíveis. Estas adaptam-se ao vento e dançam entre balanços.

Os prédios que melhor aguentam os terramotos não são os da base mais firme, mas sim os que são construídos sobre pés móveis.

As pontes que não caiem são as que sentimos balançar.

Tenhamos todos, no caminho até à ancianidade, a capacidade de nos auto-renovarmos, de sermos flexíveis, de podermos balançar e conseguirmos adaptar-nos às circunstâncias de cada estação que nos (tres)passa.

9:40 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home